Segunda-feira, 31 de Março de 2008

Avaliaçao do 2º Periodo

Neste 2º Período conseguimos melhorar as notas de todos os elementos do grupo.
A três elementos do grupo foi atribuída a avaliação de 17 valores, enquanto que os restantes obtiveram uma classificação de 15 valores. Apesar de alguma controvérsia, as notas atribuídas foram justas.

publicado por cadacriarsintra às 15:26
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 3 de Março de 2008

História de Sintra

Sintra é um lugar único, reconhecido como tal pela UNESCO, que a classificou como Paisagem Cultural e Património da Humanidade, numa sessão realizada em Berlim, a 6 de Dezembro de 1995.
Sintra apresenta características geomorfológicas únicas que funcionaram e funcionam ao longo da história como pólo de atracção para vários povos. É um local de encontro de culturas, abertura ao mundo, de aceitação e respeito pelas diferenças. As primeiras referências a Sintra datam do período da Pré-História como prova o monumento Tholos do Monge. Durante o período romano a região de Sintra foi profundamente sujeita à romanização em diversos aspectos. Existem várias provas desta ocupação como a Vila Romana de São Miguel de Odrinhas e a Fonte Romana de Armés. Da ocupação dos Visigodos foram encontrados vestígios em Faião onde se registaram epígrafes que terão pertencido a uma Igreja do Século VII. Os Mouros conquistam a região de Sintra no ano de 713.
 Foram feitas várias tentativas por parte dos exércitos cristãos para conquistar Sintra aos Mouros mas só em 1147 através de D. Afonso Henriques é conseguido o controlo definitivo de Sintra. Em 9 de Janeiro de 1154 é fundado o Município de Sintra por parte de D. Afonso Henriques, que pouco depois foi dividido em 4 grandes freguesias: São Pedro De Canaferim, com sede junto ao Castelo; São Martinho, com sede paroquial no centro da vila; Santa Maria e São Miguel ambas com sede paroquial no Arrabalde. Instalam-se vários conventos, mosteiros e ordens militares, assim como se verificam diversas doações.
Existem provas que atestam a entrega de casas e outras propriedades de Sintra a D. Gualdim Pais, por D. Afonso Henriques, por volta de 1147. O Arquivo Histórico Municipal dispõe de diversos documentos que comprovam outras doações, fazendo estas medidas parte da política régia de consolidação da Reconquista Cristã.
Nesse contexto regista-se a confirmação do foral de Sintra em 1189. Em 1348 a peste negra chega a Sintra provocando um elevado número de mortos na região. Em 1374, o rei D. Fernando I, doa Sintra à rainha D. Leonor Teles. Durante a crise dinástica de 1383-1385, o senhor de Sintra, D. Henrique de Vilhena, toma o partido de Castela. Com a vitória dos portugueses na batalha de Aljubarrota Sintra entrega-se sem luta ao Mestre de Avis, Rei de Portugal. Em 1385 D. João I doa a vila de Colares a D. Nuno Alvares Pereira e quebra a tradição de doar Sintra à Casa das Rainhas. D. João I realiza obras no Palácio da Vila mais tarde adoptado como Palácio Régio. É aqui que se toma a decisão de conquistar Ceuta, ocorre o nascimento e o falecimento de D. Afonso V, D. João II é aclamado Rei e D. Manuel I recebe a notícia da chegada à Índia. Pensa-se também que foi no palácio que Luís de Camões recitou os Lusíadas a D. Sebastião.
Durante o reinado de D. Manuel I, a vila e a serra vão ser sujeitas a obras de melhoramento empreendidas pelo Rei: restauro e ampliação do Palácio da Vila, reconstrução da Igreja de S. Martinho, construção do Mosteiro de Nossa Senhora da Pena, construção do Pelourinho de Sintra e restauro do Convento de Penha Longa.
Em 1509, realiza-se em Sintra a Convenção Luso-Espanhola, sobre as fronteiras das conquistas em África até ao cabo Bojador. Em 1514, D.Manuel renova o foral de Sintra e 2 anos mais tarde, o foral de Colares. Na 2ºmetade de séc.XVI, Sintra foi «um centro cortesão por excelência, incentivado pela presença de uma aristocracia em ascensão que aqui edificava os seus solares e quintas» (Vítor Serrão). Em 1560, D.Álvaro de Castro, mandou construir o Convento de Santa Cruz dos Capuchos, na Serra de Sintra. Em 1578 têm inicio as remodelações do Convento da Penha Longa e construção do Jardim do Cardeal, ordenadas pelo Cardeal-Rei D. Henrique. Durante o período Filipino (1580-1640) Sintra perdeu importância como vila de residência da Corte portuguesa. Recebe ocasionalmente algumas visitas reais. Após a Restauração, a rainha D. Luísa de Gusmão visita Sintra em 1652, e o rei D. João IV visita a vila em 1654. É também em Sintra que é preso D. Afonso VI, que morre em 1683. Em 1706 inicia-se o reinado de D. João V. Em 1744, inicia-se a construção do Aqueduto do Ramalhão e três anos depois começam as obras de construção do Palácio de Queluz. Após o terramoto de 1755, que provocou muitos estragos em Sintra, inicia-se um plano de reconstrução do Palácio da Vila. Em 1787, a Rainha D. Maria I visita Sintra. É inaugurado o Palácio de Queluz em 1794. A 12 de Outubro de 1798 nasce D. Pedro IV em Queluz. Em 1808 dá-se a assinatura da Convenção de Sintra que terminou com a 1º Invasão Francesa. No final do século XVIII e durante todo o século XIX, Sintra vive a época do Romantismo e recupera o seu estatuto de estância o que provoca o regresso da Coroa e Corte portuguesas. William Beckford instala-se em Sintra no Verão de 1787 aquando da inauguração da Mansão de Seteais. A Princesa D. Carlota Joaquina, mulher do Príncipe Regente D. João, compra a Quinta do Ramalhão. Gerald Devisme constrói o Palácio de Monserrate. Lorde Byron instala-se no Lawrence’s Hotel. O rei D. Fernando II toma a iniciativa de construir o Palácio da Pena, uma das sete maravilhas de Portugal nos tempos actuais. Após a construção do Palácio da Pena Sintra retoma o estatuto de residência de Verão da Família Real portuguesa até ao fim da monarquia em 1910. Em 1834, no Palácio de Queluz, morre D. Pedro IV. Em 1887 é inaugurado o caminho-de-ferro que liga Sintra a Lisboa. No princípio do século XX Carvalho Monteiro compra a Quinta da Regaleira para construir um espantoso palacete de arquitectura manuelina. Em 1903 o Palácio e Parque da Pena recebem a visita de Eduardo VII da Grã-Bretanha. Em 1904 é inaugurado o primeiro troço do eléctrico de Sintra.

publicado por cadacriarsintra às 15:45
link do post | comentar | ver comentários (71) | favorito

pesquisar

 

Maio 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Parque Natural Sintra-Cas...

Fauna e Flora

Clima em Sintra

Cidade gémea de Sintra

Sintra pode ser o concelh...

Desporto em Sintra

Lendas de Sintra

Restaurantes, Bares / Dis...

Eventos anuais e Feiras e...

Piriquita

arquivos

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

motos
motos

subscrever feeds